ANEDOTAS ESCOLARES!
 

11) Esta história é verídica, aconteceu na USP.
Numa aula de biologia, o pofessor estava falando sobre o alto teor de glicose encontrado no sêmen, quando uma caloura levantou o braço e perguntou:
- Se entendi bem, o sr. professor está dizendo que se encontra muita glicose no sêmen... tanta quanto no açúcar?!
- Sim, é verdade! - Respondeu o professor.
- Então porque o gosto não é doce?
Após um silêncio de estupefação, a classe toda arrebentou numa gargalhada.
A pobre garota ficou roxa de vergonha assim que percebeu quão impensada  foi sua pergunta.
A resposta do professor, entretanto, foi  clássica:
- O gosto não é doce porque as papilas gustativas que reconhecem o sabor doce, encontram-se na ponta da língua e não no fundo da garganta!

  10) Um menino chega à escola, vai a correr ter com amigos com a mãozinha fechada e pergunta-lhes:
- Sabem o que tenho na mão?
- Um carro?
- Não.
- Um berlinde?
- Não.
- Uma borracha?
- Também Não...
- Póó... Então o que é? - Perguntaram todos.
- Paralisia infantil.

9) No meio da aula de Geografia, Joãozinho chega para a professora e pergunta:
- Professora! Lâmpada é boa de chupar??
- Que é isso Joãozinho? Imagina! Quem que te falou uma coisa dessas?
- Meu pai! Ontem eu passei na frente do quarto dele e ouvi ele dizer para minha mãe: "Agora, apaga a luz e chupa!"

 8) Em certa escola, na Idade da Pedra, a professora distribui um pedaço de pedra, um martelinho e um cinzel para cada aluno e começa a fazer o ditado.
- O rei...
Pléc, pléc, pléc. Todo mundo grava uma coroa.
- ... é forte...
Pléc, pléc, pléc. Todo mundo grava um leão.
- e viril...
Todo mundo fica pensativo! De repente a voz de Joãozinho quebra o silêncio:
- Professora! Viril se escreve com um ou dois testículos?
 
 7) Joãozinho chega em em casa e entrega ao pai o recibo da mensalidade escolar.
- Meu Deus! Como é caro estudar nesse colégio.
E o menino:
- E olhe, pai, eu sou o que menos estuda da minha classe!

6) Na aula de biologia, o professor pergunta:
- Joãozinho! Quantos testículos nós temos?
- Quatro professor - responde o menino sem pestanejar.
- Quatro? Você ficou doido?
- Bem!... Pelo menos os meus dois eu garanto!

 5) Naquela cidadezinha do interior, um casalzinho de adolescentes passeia de charrete na fria tarde de domingo. A menina reclama do frio, dizendo:
- Minha mão está gelada!
- Coloca entre minhas pernas que esquenta. - sugere o rapaz.
A mocinha põe a mão entre as pernas do garoto e pergunta, minutos depois:
- Nossa, o que é isso tão duro?
- É meu fêmur - responde o menino - Está assim duro por causa do frio. Se você colocar sua mão em cima dele, ele vai aquecer.
No dia seguinte, a menina está na aula de anatomia e a professora pergunta:
- Alguém sabe dizer o que é o fêmur?
- Eu sei! - responde a menina - É um osso frio que quando você coloca a mão em cima, esquenta, ferve e faz uma sujeira danada!

4) Pierre, o que fizeste durante o recreio? - pergunta a professora.
- Estive a brincar na areia, professora.
-  Muito bem, Pierre. Se conseguires escrever no teu caderno a palavra "areia" correctamente, dou-te um Muito Bom.
O garoto escreve correctamente e a professora exclama:
-  Muito bem! E agora tu, Philipe: o que é que fizeste no recreio?
- Eu também estive a brincar na areia, professora.
-  Certo. Se conseguires escrever a palavra "brincar" correctamente, também te dou um Muito Bom.
O garoto escreve correctamente e a professora exclama:
-  Óptimo! E tu, Ahmed? O que fizeste durante o recreio?
- Eu querria brrincar no arreia mas eles non deixarram...
-  Mas  que  horror!  Isso é uma discriminação contra um grupo étnico minoritário, com laivos de xenofobia! Olha, Ahmed, se escreveres correctamente,  "uma discriminação contra um grupo étnico minoritário, com laivos de xenofobia", também te dou um Muito Bom.

 3) Numa escola primária, todos os dias a seguir ao almoço, a professora perguntava aos alunos o que estes haviam comido.
Começava pelo Joaquim:
- Ó Joaquim, o que é que comeste hoje?
- Bife com batatas fritas! - respondeu o Joaquim.
- Muito bem, e tu Zézinho?
- Comi umas costeletas! - respondeu o Zézinho.
- Muito bem, e tu ciganito?
- Eu comi sopa! - respondeu o ciganito.
- Muito bem!
E durante toda a semana o ciganito respondia sopa, até que este, já zangado, disse à mãe:
- Ó mãe, a minha professora pergunta sempre o que é que a gente come e só eu é que como sopa.
- Está bem filho, amanhã dizes à professora que comeste faisão! - diz a mãe.
No outro dia, depois de a professora perguntar aos outros miúdos, chega a vez do cigano:
- Então ciganito, o que é que comeste hoje?
- Ah, eu hoje comi faisão!
- E olha lá, comeste muito? - continua a professora.
- Ah, três tigelas!


 2) Na Madeira, chega um menino à beira da professora e diz:
- Sra. Professora, a minha coelha teve cinco coelhinhos e são todos P.S.D.!
- Muito bem! Olha, amanhã vem cá o Sr. Alberto João Jardim e tu contas-lhe essa história. Está bem?
- Está bem! - responde o menino.
No dia seguinte, o Alberto João Jardim vai visitar a escola e, como combinado, a professora chama o menino. O menino dirige-se à beira do presidente e diz:
- Sr. Presidente, a minha coelha teve cinco coelhinhos e dois são do P.S.D.!
- Então, - diz intrigada a professora - não eram os cinco?
- Eram, ...mas três já abriram os olhos!
(Estes chistes foram enviados por Rosa Fernandes)

 1) Uma professora cubana mostra aos alunos um retrato do presidente Clinton e pergunta à classe:
- De quem é este retrato?
Silêncio absoluto. Mas a professora insiste:
- Eu vou ajudar um pouquinho: É por culpa deste senhor que nós estamos a passar fome...
Um aluno interrompe a professora:
- Ah, professora! É que, sem a barba e sem o uniforme, não dava para o reconhecer!

(Estas piadas foram-nos, gentilmente, enviadas por Elizabete Queirós!)